Toyota MR2

Carros esportivos dos anos 90: conheça 15 modelos que dão saudade

No artigo de hoje, vamos conhecer os 15 principais carros esportivos dos anos 90. Então, se você quer saber quais são, é só continuar com a gente!

O brasileiro, certamente, é um povo reconhecidamente apaixonado por carros. E quando o Brasil permitiu a importação de veículos, a partir do início da década de 1990, houve uma verdadeira corrida por novos carros esportivos.

Até então, as ruas brasileiras eram ocupadas basicamente por veículos produzidos por aqui. Com a abertura, entretanto, dezenas de modelos japoneses, alemães e de outras partes do mundo passaram a circular por nossas estradas, e muitos se tornaram verdadeiros ícones.

Alguns desses veículos são venerados até hoje. Colecionadores de todo o país se dispõem a gastar uma fortuna para adquirir modelos da época – um Volkswagen Gol GTi todo original, por exemplo, foi vendido recentemente por mais de R$ 100 mil!

Como mostraremos neste artigo, tamanha veneração tem seus motivos. Os carros esportivos que fizeram sucesso nos anos 90 começavam a ganhar novas formas, com carroceria mais arredondada e motores bem mais potentes do que o Brasil estava acostumado.

Como todas as listas que qualquer um se dispõe a fazer, a nossa provavelmente deixará de fora algum carro que você poderá considerar imprescindível.

Mas uma coisa nós podemos garantir: os 15 modelos são inesquecíveis e você precisa saber o por quê.

Vamos nessa?

Os 15 modelos de carros esportivos dos anos 90 que você vai gostar de relembrar

1. Volkswagen Gol GTi

Volkswagen Gol GTi
Fonte: Motor Show

O Volkswagen Gol GTi surgiu no fim da década de 1980 e foi um sucesso nos anos 90.

Até hoje, mais de duas décadas após o fim de sua produção, vários amantes do modelo ainda o cobiçam. Colecionadores chegam a pagar mais de R$ 100 mil por um GTi em bom estado!

A cor clássica era o azul marinho metálico, com detalhes em prata. O modelo foi apresentado pela primeira vez no Salão do Automóvel de São Paulo, em 1988.

Foi o primeiro carro produzido no Brasil a contar com injeção eletrônica de gasolina.

O Gol GTi contava com motor 2.0  e tinha arrancadas que impressionavam os amantes de carro para a época.

Ele ia de 0 a 100 km/h em apenas 8,8 segundos. A potência era de 120 cv a 5.600rpm, e o torque máximo de 18,35 mkgf a 3.200rpm.

Oficialmente, o motor chegava a uma velocidade de 190 km/h, sendo que na prática era possível alcançar 181 km/h.

O design também agradava aos olhos. Uma asa traseira, interior com bancos Recaro e o painel em grafia vermelha davam sofisticação ao modelo.

2. Mazda RX7

Mazda RX7
Fonte: Carros com Camanzi

Esse esportivo japonês surgiu em 1978, mas foi nos anos 90 que ele viveu seu apogeu. Produzido até 2002, tornou-se um dos carros mais cobiçados por apaixonados por modelos de velocidade.

A terceira geração do Mazda RX7 foi a mais legal, justamente a lançada na década de 90.

Apesar dos diferentes modelos ao longo de mais de 20 anos de produção, o RX7 tinha características que se mantiveram ao longo do tempo. Os faróis eram escamoteáveis, não havia janelas espias e o pára-brisas traseiro tinha formato abaulado. O que mudou foram as formas, mais arredondadas que os primeiros, e foi justamente isso que o tornou tão agradável aos olhos.

Muitos apontam o Mazda RX7 como um dos carros com design mais bonitos já fabricados no Japão.

Assim, o interior do carro também se destacava. O console tinha os instrumentos voltados ao motorista, o que tornava tudo muito simples de se manusear.

Leve – ele pesava pouco mais de uma tonelada -, o Mazda RX 7 tinha motor com 105 cv de potência e alcançava 0 a 100 km/h em 9,5 segundos. Além disso, a velocidade máxima era de 190 km/h.

3. Mazda MX3

Mazda MX3
Fonte: Webmotors

O terceiro modelo, em nossa lista de carros esportivos dos anos 90, é o Mazda MX3, que integrou uma categoria de carros esportivos de tamanho menor. Foi o Salão de Genebra, em 1991, que apresentou o modelo.

Suas formas eram compactas, com 4,21 metros de comprimento, 1,70 m de largura, e apenas 1,28 m de altura. O peso variava de acordo com a versão, mas chegava ao máximo de 1.160 kg.

O carro era equipado com motor V6, e por um período foi considerado o menor desse tipo do mundo.

O motor do modelo vendido por aqui chegava a 130 cavalos de potência. Ele girava a até 7.800 rpm, fazendo com que esse carro esportivo fosse de 0 a 100 km/h em 8,5 segundos.

A velocidade máxima atingida também era um ponto alto desse modelo, chegando a atingir 202 km/h.

O Mazda MX 3 tinha transmissão manual de cinco marchas – havia, ainda, uma opção de transmissão automática de quatro marchas e tração dianteira. Para completar, algumas versões desse carro contavam com freios ABS e discos também nas rodas traseiras.

4. Fiat Uno Turbo, um clássico dentre os carros esportivos dos anos 90

Fiat Uno Turbo
Fonte: Quatro Rodas

Quem poderia imaginar que um hatch compacto, e que entrou para o folclore nacional graças a uma escadinha que volta e meia era colocada num suporte no teto, se tornaria também um cobiçado carro esportivo? Pois é, isso foi possível graças a uma versão turbo do famoso carro popular.

Produzido no Brasil nos anos 90, o Fiat Uno Turbo foi lançado na década anterior. Foi concebido para ser um carro popular, mas seu ótimo desempenho fez a fabricante lançar também um modelo mais esportivo – e assim surgiu o Uno Turbo. Por aqui, foi o primeiro carro a sair de fábrica com motor turbinado.

Além do motor turbo, que oferecia potência máxima de 118 cv, o carro contava com injeção eletrônica de fábrica.

Para diferenciar o Uno tradicional dessa versão esportiva,

ele contava com para-choque mais quadrado e proeminente, além de dois faróis de neblina e duas pequenas entradas de ar logo abaixo.

As saias do Fiat Uno Turbo eram maiores. Na traseira, o para-choque contava com dois spoilers individuais na parte inferior – um dos quais, com o escape esportivo.

5. Volkswagen Golf GTi VR6

Volkswagen Golf GTi VR6
Fonte: Autoesporte

Esse importado da Volkswagen era o sonho de consumo de muita gente na segunda metade da década de 1990, por isso, não poderíamos deixá-lo de fora dessa lista de carros esportivos dos anos 90.

O hatch era oferecido numa versão de quatro portas e comportava tranquilamente cinco passageiros. Era, portanto, uma ótima opção de carro “bom” para a família.

Com injeção multiponto, o Golf GTi VR6 tinha motor de 6 cilindros em V. A potência máxima oferecida era de 174 cavalos a 5.800rpm.

Com tração dianteira, o carro tinha câmbio manual de 5 marchas.

A velocidade máxima atingida era de 224 km/h – ótima para os padrões até mesmo atuais. A aceleração, por sua vez, não trazia resultados tão impressionantes quanto outros modelos à venda na época, mas ainda assim era respeitável. Ele ia de 0 a 100 km/h em 7,8s.

Todos esses números se refletiam num consumo médio de gasolina. Com autonomia de cerca de 600 quilômetros, o Volkswagen GTi VR6 fazia 8 quilômetros em área urbana por litro de combustível. Na estrada, chegava a 11 km/l.

6. Honda Civic VTi

Honda Civic VTi
Fonte: Quatro Rodas

Não é exagero algum dizer que o Honda Civic VTi era considerado uma verdadeira lenda nos anos 1990. O motivo era a extrema capacidade de desempenho oferecida pelo motor. Para se ter uma ideia, ele rendia 100 cv de potência por litro, um número que muitos acham surpreendente até mesmo para os padrões de hoje.

O modelo VTi era um hatch equipado com motor B16A2, de 1.6 litro e 16 válvulas. No total, oferecia 160 cv de potência e 15,8 kgfm de torque máximo. Tudo isso a 7.500 rpm.

Ele vinha com airbag duplo, freios ABS, ar-condicionado, trio elétrico e teto solar como itens de série. Como você pode perceber, era um conforto para poucos naquela época.

Em termos estéticos, seu visual externo não era exatamente uma primazia. Se você o visse na rua, talvez o considerasse apenas mais um entre os tantos modelos de veículos que passaram a rodar nas estradas brasileiras naquele período. Mas a verdade é que era muito mais do que isso.

O Honda Civic VTi era capaz de uma aceleração de 0 a 100 km/h em 7,3 segundos. A velocidade máxima chegava aos 220 km/h, um número ainda hoje bastante alto.

7. Honda NSX

Honda NSX
Fonte: Revista Carro

Já imaginou guiar algum dos carros esportivos projetados com o auxílio de alguns dos pilotos mais velozes do mundo? Então, e se dissermos que esse piloto era Ayrton Senna?

Pois é justamente essa a história do Honda NSX. Seu protótipo foi concebido nos anos 1980, época em que Senna era piloto da McLaren – e em que a Honda produziu os motores da escuderia.

O acordo entre a equipe e os japoneses previa que Senna participaria dos testes de motor, inclusive dando sugestões de melhoria. E aquele que se sagraria tricampeão mundial de Fórmula-1 testou a máquina dando muitas e muitas voltas com o protótipo NSX no autódromo japonês de Suzuka.

O resultado chegou às ruas para os simples mortais nos anos 90. A cabine era inspirada num caça F-16. As linhas do carro surgiram agressivas – faróis escamoteáveis, grandes tomadas de ar laterais e lanternas ao longo de toda a traseira – e se mantiveram mesmo nas versões mais recentes, ainda que com as óbvias adaptações.

A primeira geração surgiu em 1990 e se estendeu até 2005. A versão tradicional vinha com câmbio manual de 5 marchas.

O carro tinha potência de 273 cavalos e alcançava velocidade máxima de 270 km/h. Além disso, a aceleração era outro ponto forte, indo de 0 a 100 km/h em 5,9 segundos.

8. Audi RS2

Audi RS2
Fonte: Racing Club

Primeiro modelo da linha RS2, foi lançado em 1994 parecendo uma perua como qualquer outra.

Mas o modelo era muito mais do que isso: foi o primeiro carro esportivo da montadora alemã! E foi além: surgiu de uma parceria entre a Audi e a Porsche. Isso por si só já fala muito, não é mesmo?

Não se sabe ao certo quantos carros esportivos desse existem no Brasil. Fato é que a ideia inicial era de se produzir apenas 2.200 veículos na planta alemã, mas os pedidos foram tantos que saíram da fábrica 2.891. Com (muita) sorte, você consegue se deparar com um por aí. É sabido que alguns exemplares ainda rodam na capital paulista.

O Audi RS2 vinha com motor 2.2 de cinco cilindros. A ele se juntou turbo e intercooler para render 315 cavalos de potência. Eles eram enviados às quatro rodas pelo sistema Quattro e sem nenhuma interferência eletrônica.

A aceleração impressiona. Ele vai de 0 a 100 km/h em apenas 5,4s.

O interior do Audi RS2 também se destacava. Para além da direção hidráulica, ele contava com trio elétrico, bancos Recaro ergonômicos, ar condicionado e acabamento em couro.

9. Toyota Supra

Toyota Supra
Fonte: iCarros

O Toyota Supra fez muito sucesso a partir de 1978, quando foi lançado, até a sua primeira aposentadoria, em 2002. A montadora japonesa lançou uma versão moderna em 2019.

Mas os modelos que nos interessam são o Supra da terceira geração (A70) e quarta (A80).

O Supra de terceira geração surgiu em 1986 e perdurou até 1993.

À época, então, a Toyota deixou de lado a relação que o Supra tinha com o Celica e o carro ganhou linhas mais robustas. Os faróis seguiram sendo escamoteáveis, e em 1987 o modelo ganhou um atrativo extra: o motor turbo, o primeiro da montadora japonesa. O carro oferecia potência de 267 cavalos.

Três anos mais tarde, a Toyota lançou um Supra com motor biturbo, de 6 cilindros e 2.5 litros. Assim, surgiu um carro esportivo que despejava 280 cv e era capaz de chegar a 250 km/h!

A quarta geração do Supra trouxe algumas mudanças estéticas. O carro ficou com linhas mais modernas e arredondadas. Nesse modelo, não contávamos mais com os faróis escamoteáveis.

O esportivo também apresentou expressiva redução de peso – foram quase 60 kg a menos – graças ao uso de alumínio no capô, no teto e nos suportes dos pára-choques.

Mas foi na mecânica, claro, que as principais mudanças foram vistas. O Toyota Supra passou a ser oferecido com dois tipos de motor: um de 6 cilindros, 3.0 e com 24 válvulas com duplo comando no cabeçote. Tudo isso oferecia potência de 220 cavalos de potência.

Já a versão biturbo rendia até 325 cavalos de potência! Assim, ele tinha um câmbio manual de 6 velocidades e chegava à velocidade máxima de 250 km/h.

A aceleração? Essa era de ótimos de 0 a 100 km/h em 5,3 segundos.

10. Toyota MR2

Toyota MR2
Fonte: Quatro Rodas

Chegamos ao décimo modelo de nossa lista de carros esportivos dos anos 90.

Esse foi, sem dúvidas, um dos carros esportivos com design de maior sucesso dos anos 90. E tinha um apelido informal que explica o motivo: o Toyota MR2 era conhecido como a “Ferrari dos pobres”.

Ao longo da história, esse Toyota teve três gerações. A fabricante produziu o primeiro em 1984, e o último em 2007.

Entre esses, o modelo de segunda geração, surgido em 1990, era o que de fato tinha um visual que remetia aos veículos da famosa montadora italiana. O MR2 tinha uma versão turbo, cujo motor era um 2.0 de quatro cilindros. Ele produzia 202 cavalos de potência, oferecendo aceleração de 0 a 100 km/h em 6,1 s.

O câmbio era manual, com cinco marchas. Ao todo, apenas 25 exemplares chegaram ao Brasil. Não há dados oficiais sobre quantos ainda rodam, mas acredita-se que não haja mais do que cinco em uso atualmente por aqui.

11. Alfa Romeo 145 Quadrifoglio, um dos queridinhos da lista de carros esportivos dos anos 90

Alfa Romeo 145 Quadrifoglio
Fonte: Motor Tudo

O Alfa Romeo 145 Quadrifoglio foi lançado oficialmente em 1994, e então entrou no mercado no ano seguinte.

Usando uma estratégia comum na indústria automobilística, a Alfa Romeo lançou diferentes versões do modelo. A mais esportiva delas era o Quadrifoglio Verde (QV), com motor Twin Spark de primeira geração (CF1).

Além disso, no Brasil a empresa ofereceu duas verões especiais chamadas de “Elegant Brasile”.

O painel e o console desse esportivo tinha difusores de ar redondos, que podiam ser girados em qualquer direção, ou quadrados – os modelos mais antigos.

Este carro também era super confortável. Ele contava com ar-condicionado de série, direção hidráulica e rodas de liga leve com aro 15. Entre os itens opcionais estavam os freios ABS, teto-solar e airbags.

12. Mitsubishi Colt GTi

Mitsubishi Colt GTi
Fonte: MitsuFans

O Mitsubishi Colt GTi não é um carro muito conhecido por aqui, mas fez relativo sucesso nos anos 90. O Japão lançou o carro em 1978, mas apenas a quarta geração chegou ao Brasil, e isso já em 1991.

Tratou-se de um hatch construído sobre o mesmo chassi do Lancer, esse um carro mais famoso da montadora japonesa.

O Colt chegou em duas versões no Brasil. A GLXi contava com motor 1.6. O cabeçote tinha comando simples, e o motor de 16 válvulas oferecia 113 cavalos de potência.

Mas é a outra versão que se destacou mais por aqui. O Mitsubishi Colt GTi possuía motor 1.8, comando duplo no cabeçote, 16 válvulas e nada menos do que 140 cavalos de potência. A velocidade máxima ultrapassava 200 km/h, um valor considerável considerado o período.

Além disso, a aceleração também tinha números interessantes, sendo capaz de ir de 0 a 100 km/h em 7,6s

O Colt GTi era um carro leve – o peso total não chegava a uma tonelada. A suspensão, por sua vez, tinha arranjo do tipo McPherson na dianteira e eixo multilink na traseira.

13. Renault 19 16s

Renault 19 16s
Fonte: Motor1

A versão básica não tinha um visual dos mais bonitos, mas o modelo esportivo chamava a atenção.

O desempenho também agradou ao público, em especial se levarmos em conta os compactos à disposição dos brasileiros.

Além do mais, isso levando em conta que, na década de 1990, os carros da Renault tinham dificuldade em ser aceitos por aqui – havia poucas concessionárias e a manutenção não era das mais baratas.

O Renault 19, entretanto, aos poucos foi ganhando seu espaço. Mas o Brasil não produziu o carro. Fábricas da Argentina e da Colômbia mandavam os veículos para cá.

A versão esportiva tinha 16 válvulas, e por isso ganhou o nome Renault 19 16s.

Além disso, o carro contava com motor de 2 litros e potência total de 137 cavalos na estrada, a 6.500rpm. Tudo isso conferia uma velocidade máxima de 212 km/h, com arrancada de 0 a 100 km/h em 8,5 segundos.

O Renault 19 16s era razoavelmente econômico se considerarmos tudo o que entregava. Em área urbana, ele era capaz de fazer 10,3 quilômetros por litro. Na estrada, o desempenho era melhor, mas não tanto quanto se espera – fazia, em média, 13,4 quilômetros por litro.

14. Chevrolet Tigra

Chevrolet Tigra
Fonte: Webmotors

O Chevrolet Tigra foi lançado em 1993 no Salão do Automóvel de Frankfurt, e chegou ao mercado do Brasil cinco anos mais tarde, em 1998. Ao todo, a fabicante importou 2.652 modelos para cá.

Apesar de haver diferentes motores, apenas os veículos 1.6 com 16 válvulas chegaram aos brasileiros.

Por aqui, também só foram vendidos os de câmbio manual de 5 marchas – a versão europeia do Tigra tinha opção de câmbio automático. Além disso, o airbag só estava disponível para o motorista, e as rodas deixaram o aro 15 para utilizar o aro 14.

A importação também obrigou outras adaptações. Por motivos fiscais, a potência de 110 cavalos foi redu­zida para 100 cv. O torque, entretanto, se manteve com os mesmos 14,7 kgfm.

O modelo teve vida curta no Brasil, sendo comercializado por aqui durante apenas dois anos. Mas foi o suficiente para fazer surgir uma legião de fãs. Ainda hoje podemos encontrar aficionados em busca do veículo.

15. BMW M5

BMW M5
Fonte: Motor1

Este era talvez o modelo mais icônico da BMW nos anos 1990 e, por isso, finaliza com chave de ouro nossa seleção dos carros esportivos dos anos 90 que deixaram saudade.

O esportivo de quatro portas contava com o motor na parte da frente. Tinha seis cilindros de quatro válvulas. A injeção era multiponto.

O BMW M5 vinha com câmbio manual de 5 marchas, e embreagem monodisco a seco. A potência máxima alcançada era de respeito, chegando a 340 cavalos a 6.900rpm. Com ele, era possível acelerar de 0 a 100 km/h em 5,9s.

Espaçoso, este modelo tinha 500 quilos de carga útil e um tanque de combustível de respeito. Além disso, o reservatório comportava 80 litros de gasolina.

A má notícia é que se tratava de um carro beberrão. Assim, na cidade, o consumo médio era de um litro a cada 4,6 quilômetros rodados. Em rodovias, chegava a percorrer 592 quilômetros com o tanque cheio, o que dava média de 7,4 quilômetros por litro.